Revalida 12 de Setembro de 2016

Primeira etapa do exame de revalidação de diplomas médicos acontece neste domingo

A primeira etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida) acontece neste domingo, 11, em 10 estados. Pela manhã, os cerca de 7 mil inscritos terão que responder, das 8h às 13h (horário de Brasília), questões objetivas e, de tarde, das 15h 18, as discursivas.

Os locais de realização das provas (objetiva e discursiva) estão divulgados na Internet, na página do exame. Cada participante é responsável pela identificação correta das informações e pelo comparecimento com antecedência mínima de uma hora, no local, de acordo com o horário de Brasília.

Por nacionalidade, os países que apresentaram o maior número de inscritos foram Brasil (46,32%), Cuba (24,70%), Bolívia (14,37%), Colômbia (3,55%), Peru (2,52%), Venezuela (2,13%) e Argentina (1,13%). Quanto à origem do diploma, a Bolívia lidera mais uma edição deste exame, com 44,97% dos inscritos de diferentes nacionalidades. Em seguida, vêm Cuba (32,54%), Paraguai (8,38%), Colômbia (3,33%), Argentina (2,77%) e Venezuela (2,72%).

As provas serão realizadas em Rio Branco (AC), Manaus (AM), Fortaleza (CE), Salvador (BA), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Brasília (DF) e Campo Grande (MS). Serão considerados aprovados na primeira etapa os participantes que alcançarem, no mínimo, 77 de 150 pontos (contagem correspondente à soma dos pontos obtidos nas provas objetiva e discursiva). A divulgação dos resultados da primeira fase está prevista para 14 de outubro.

Já a segunda fase será realizada nas datas prováveis de 12 e 13 de novembro de 2016, em local a ser divulgado. O candidato deverá passar por uma avaliação prática de habilidades clínicas, com tarefas específicas distribuídas em dez estações de trabalho. O resultado desta etapa será na data provável de 26 de dezembro.

Serão avaliados, nas provas objetiva (de múltipla escolha), discursiva e de habilidades clínicas os objetos descritos na Matriz de Correspondência Curricular para fins de Revalidação de Diplomas de Médico Expedidos por Universidades. Para atuar como médico no Brasil, o estudante formado no exterior precisa revalidar o diploma. O exame reconhece a autonomia das instituições de educação superior públicas, que podem fazer a adesão ao processo no Ministério da Educação.

Atendimentos – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) assegura atendimento diferenciado ou específico aos participantes que solicitaram no ato da inscrição necessidades nos termos do Decreto nº 6.949/2009. No caso de lactante, a participante que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas, deverá levar um acompanhante, que ficará em sala reservada e será o responsável pela guarda da criança.

Documentação – Serão aceitos para identificação e ingresso aos locais de prova a Cédula de identidade (RG) expedida por Secretarias de Segurança Pública, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, pela Polícia Federal; a identidade expedida pelo Ministério das Relações Exteriores para estrangeiros; a identificação fornecida por ordens ou conselhos de classes ou por órgão público que por Lei tenham validade como documento de identidade; a Carteira de Trabalho e Previdência Social emitida após 27 de janeiro de 1997; o Certificado de Reservista; o Passaporte e a Carteira Nacional de Habilitação com fotografia, na forma da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, todos no original.

Participação – Para participar do exame, é preciso ser brasileiro ou estrangeiro em situação legal no país e possuir Cadastro de Pessoa Física (CPF) emitido pela Receita Federal. O diploma de medicina deve ser expedido por instituição de educação superior estrangeira reconhecida pelo Ministério da Educação do país de origem, ou órgão equivalente, e autenticado por autoridade consular brasileira.

O candidato antes do início das provas deverá guardar, em embalagem porta-objetos fornecida pelo aplicador, telefone celular desligado, quaisquer outros equipamentos eletrônicos desligados e outros pertences. A embalagem porta-objetos deverá ser lacrada, identificada pelo participante e mantida embaixo da carteira ou em sala apropriada para a guarda de objetos (no caso da segunda etapa) até a conclusão do Exame.

Assessoria de Comunicação Social