Censo Escolar 04 de Julho de 2002

Mais de 70% dos alunos do ensino fundamental têm Educaç

Primeiro levantamento sobre o tema foi realizado com alunos da educação fundamental de todo o País com dados do Censo Escolar 2001. Programa "Parâmetros em Ação" promove formação de professores para a educação ambiental

A Educação Ambiental faz parte da rotina da maioria dos jovens brasileiros que está na educação fundamental. Quando se considera o total de alunos deste nível de ensino, 71,2% estão em escolas que trabalham de alguma forma com a temática. Entre os alunos que freqüentam da 5ª à 8ª série, esse índice é de 73%, ou 11,4 milhões de estudantes. Já entre os alunos da 1ª à 4ª série, 70% têm Educação Ambiental, o que corresponde a 13,8 milhões de estudantes.

Educação Ambiental

Número de Escolas e Matrículas no Ensino Fundamental com Educação Ambiental (15 KB)

"Os dados apresentados pelo Censo Escolar retratam o interesse pela Educação Ambiental e mostram que existe uma grande demanda de trabalho na área. Sabemos que há, hoje, uma mobilização em relação à questão", afirma Iara Prado, secretária de Educação Fundamental do MEC.

Pelo levantamento, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep/MEC), o tema é trabalhado pelas escolas principalmente na forma da inserção temática, ou seja, a utilização do assunto em diversas disciplinas. Este tipo de abordagem abrange 52,9% dos alunos das séries iniciais e 55,4% dos estudantes das séries finais.

"A inserção temática ocorre quando, por exemplo, a professora de Inglês ou Português resgata, no conteúdo de sua disciplina, abordagens sobre o tema. Pela Lei nº 9.795/99, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, não deve haver uma disciplina específica para tratar do tema", explica Lucila Vianna, coordenadora de Educação Ambiental da Secretaria de Educação Fundamental (SEF/MEC).

Em seguida, a forma mais utilizada para o estudo dos problemas relacionados ao meio ambiente é por meio de projetos. Trabalham a questão dessa forma 26,8% dos alunos de 1ª a 4ª série e 29,6% dos alunos de 5ª a 8ª série. "O projeto é um tipo de abordagem que deveria estar ligado a todas as disciplinas, tratando de um tema específico de interesse dos alunos, mas o que tem acontecido freqüentemente é a realização de projetos fora da proposta pedagógica da escola", afirma Lucila.

Apesar da regulamentação da Lei, 1,5% dos alunos de 1ª a 4ª série e 2,6% dos estudantes de 5ª a 8ª série ainda têm Educação Ambiental sob a forma de disciplina especial voltada somente para o estudo da questão.

Segundo a coordenadora de Educação Ambiental da SEF, mesmo sendo um primeiro levantamento sobre o tema os resultados são bastante positivos, mas é preciso considerar que os dados não permitem avaliar a qualidade e os resultados do ensino que está sendo oferecido.

Educação Ambiental está mais presente nas Regiões Sul e Sudeste

A preocupação com a Educação Ambiental é maior justamente nas regiões mais industrializadas do País, onde a degradação ambiental é um problema próximo da realidade da população. Na Região Sul, 82,1% dos alunos de 1ª a 4ª série e 80,3% dos de 5ª a 8ª série têm o tema presente na sala de aula. Já na Região Centro-Oeste 69,2% e 72,2% dos estudantes do primeiro e do segundo ciclo, respectivamente, estudam o assunto nas escolas.

Esse índice é um pouco menor no Norte e Nordeste, regiões que apresentam características fortemente rurais. A Região Norte apresenta os menores porcentuais: 52,5% dos estudantes das primeiras séries da educação fundamental e 57,3% dos alunos das séries finais. Na Região Nordeste, 62,3% dos alunos de 1ª a 4ª série e 65,3% de 5ª a 8ª série têm Educação Ambiental.

Entre os Estados também existem diferenças marcantes em relação ao trabalho com o meio ambiente nas escolas. O Ceará, segundo o levantamento, é o que mais dispensa atenção à Educação Ambiental nas escolas. No Estado, 91,8% dos estudantes de 1ª a 4ª série trabalham o tema em sala de aula. Ainda se destacam nas séries iniciais do ensino fundamental o Espírito Santo e Goiás, com índices de 90,8% e 90,7% de alunos que estudam o assunto.

Quando se leva em conta os estudantes de 5ª a 8ª série, esses três Estados também apresentam o maior porcentual de utilização do assunto. No Espírito Santo, o índice de alunos que tratam do tema em sala de aula é de 91,8% e de 91,3% para o Ceará e Goiás.

Por outro lado, Acre e Roraima são os Estados que possuem o menor porcentual de alunos em contato com a temática ambiental. No Acre, apenas 11,9% dos alunos de 1ª a 4ª série e 22,3% dos estudantes de 5ª a 8ª série têm Educação Ambiental nas escolas. Em Roraima, esses índices são de 36,8% e de 37,8%, respectivamente.

Parâmetros em Ação - Meio Ambiente na Escola

O Programa Parâmetros em Ação - Meio Ambiente na Escola é uma iniciativa da Secretaria de Educação Fundamental do Ministério da Educação, com o objetivo de institucionalizar a Educação Ambiental nos sistemas de ensino. O material produzido está disponível para download no endereço www.mec.gov.br/sef/ambiental.

Trata-se de uma proposta que está sendo realizada em parceria com as Secretarias de Educação estaduais e municipais, Universidades e ONGs interessadas. O Programa envolve um esforço conjunto no sentido de promover a formação continuada dos professores das séries finais do Ensino Fundamental para o trabalho com o tema transversal Meio Ambiente. Até o momento, 200 municípios de 13 Estados aderiram ao Programa e estão realizando atividades de formação.

Um dos objetivos do Programa é envolver os professores das diferentes áreas sobre a importância de abordar a temática ambiental para o entendimento da realidade e a formação de cidadãos. "O Programa não pretende formar ambientalistas, mas professores que darão acesso ao repertório mínimo sobre a questão ambiental", diz Iara Prado, secretária de Ensino Fundamental.

O Parâmetros em Ação - Meio Ambiente na Escola se propõe a trabalhar a temática nos currículos, no convívio escolar e por meio de projetos de educação ambiental inseridos na proposta da escola e na comunidade onde está localizada. "É essencial propiciar ao professor um acesso qualificado aos conteúdos de Meio Ambiente e à tematização de sua prática, capaz de subsidiá-lo no desenvolvimento do seu trabalho", explica Lucila Vianna, coordenadora de Educação Ambiental da SEF/MEC.

Em 1999, a Lei nº 9.795/99, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, tornou obrigatória a inserção da Educação Ambiental no currículo de forma transversal em todos os níveis e modalidades de ensino. "É importante ressaltar que o Ministério da Educação, como gestor de políticas públicas, está cumprindo sua parte diante das recomendações", afirma Iara Prado.

Elaboração do Programa

A Elaboração do Programa teve início com a realização de um levantamento junto às Secretarias Estaduais de Educação, que permitiu o acesso dos trabalhos desenvolvidos em Educação Ambiental. Por ser uma temática complexa, polêmica e de grande repercussão social, apenas recentemente incorporada às ações educacionais, a Educação Ambiental é desenvolvida em muitas secretarias de forma pontual, não estando inseridas nas políticas de formação dos professores.

O Parâmetros em Ação - Meio Ambiente na Escola coloca, como metodologia de trabalho, a organização dos professores em grupos de estudos interdisciplinares sob a coordenação de um formador, orientada por um documento auto-instrutivo, com seqüências de atividades diferenciadas que incentivam a reflexão sobre a relação de ensino e aprendizagem, e as experiências vivenciadas pelos professores nas escolas. A idéia é discutir os conteúdos da temática ambiental e a possibilidade de tornar estes conteúdos transversais por meio de um diálogo com as diferentes disciplinas. Além disso, pretende desencadear ações para a elaboração de projetos de Educação Ambiental participativos e integradores.

Composição dos materiais

O Programa é constituído por um conjunto de materiais produzido com o propósito de apoiar os educadores, tanto na sua formação continuada quanto no seu trabalho cotidiano de formação de cidadãos. Os materiais estão divididos em kit do formador e kit do professor. O primeiro subsidia os coordenadores de grupo no seu trabalho como formador. O segundo contém materiais que podem auxiliar os professores em suas atividades relativas à prática transversal da educação ambiental nas escolas.

KIT DO FORMADOR

  1. Guia de Orientações Metodológicas Gerais: explicita a concepção e as metodologias de formação adotada nos programas desenvolvidos pelo MEC, por meio de propostas e depoimentos de formadores que refletem, por escrito, sobre sua prática com grupos de educadores.
     
  2. Guia do Formador: traz as propostas de encaminhamento do grupo de estudo. É composto por 11 módulos que abordam a Educação Ambiental na escola sob a ótica de diferentes conteúdos da temática. Os módulos são compostos por seqüências de atividades de formação, totalizando 115 horas. Reúnem textos e sugestões de sites, para subsidiar o formador no encaminhamento das atividades propostas.
     
  3. Programas de Vídeos: são três fitas VHS com 19 documentários e programas para serem utilizados durante as atividades propostas pelos módulos e/ou pelas atividades complementares propostas pelo Guia de Orientação, para trabalhar com vídeos. As fitas podem ainda auxiliar o professor no trabalho com os alunos.
     
  4. Guia de orientação para trabalhar com vídeos: contém sugestões de atividades para trabalhar com os vídeos contidos nas três fitas do kit. Todas as atividades dão ênfase à integração das diferentes áreas do conhecimento, recorrendo ao trabalho por projetos e apontando possíveis caminhos para a prática da transversalidade do tema Meio Ambiente.
     
  5. Cartaz com mapa das ecorregiões brasileiras: elaborado pela Organização não-governamental WWF (Word Wildlife Fund), contém o mapa do Brasil dividido em 49 áreas diferenciadas em seus aspectos ecológicos - chamadas ecorregiões - que, segundo alguns especialistas, contém informações ambientais mais detalhadas e significativas para a proteção de algumas regiões.
     
  6. CD de Legislação ambiental: o CD contém a legislação ambiental brasileira, tratados e documentos internacionais sobre Meio Ambiente e Educação Ambiental e é referência fundamental para o desenvolvimento de projetos.

KIT DO PROFESSOR

  1. Caderno de Apresentação: este material contém a descrição do Programa Parâmetros em Ação - Meio Ambiente na Escola, suas finalidades, os materiais que o compõe e a metodologia para sua implementação. Destaca a história da Educação Ambiental como estratégia dos movimentos ambientalistas e a importância da inserção do Meio Ambiente no currículo escolar e no projeto educativo da escola.
     
  2. Guia de Atividades para sala de aula: traz uma série de atividades para o professor trabalhar com seus alunos. O Guia propõe uma metodologia para a realização de diagnóstico, avaliação e gestão ambiental, permitindo a elaboração de projetos que envolvam tanto a escola quanto a comunidade.
     
  3. Bibliografias e sites comentados: oferece uma ampla bibliografia e uma relação de sites sobre Meio Ambiente e Educação Ambiental, que oferecem subsídios ao trabalho dos educadores. Indica, ainda, onde encontrar os principais tratados relacionados com a Educação Ambiental e com o Meio Ambiente e uma listagem de redes de discussão sobre a temática.
     
  4. Catálogo de Endereços para ações e informações em Educação Ambiental: disponibiliza aos professores, aos alunos e a comunidade escolar canais adequados para o acesso às informações. Possui endereços e sites de órgãos públicos, associações e conselhos representativos dos Poderes Judiciário e Legislativo, organizações não-governamentais e instituições financeiras para que os educadores possam solicitar materiais; encaminhar denúncias e reivindicações; participar das decisões políticas, legais e institucionais; entrar em contato com possíveis parceiros; trocar informações, apoios e experiências.
     
  5. CD de Músicas para atividades: composto de músicas selecionadas para apoiar atividades dos módulos e serem utilizadas pelos professores em trabalhos com os seus alunos. A música na escola pode contribuir para a descoberta de novos sons, ritmos, ampliando a compreensão do mundo e do ser humano.

Assessoria de Imprensa do Inep