Institucional 27 de Dezembro de 2019

Exames e avaliações do Inep envolveram mais de 15 milhões de estudantes em 2019

O ano de 2019 marcou uma série de avanços nos exames e avaliações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O órgão investiu em segurança, tecnologia e recursos de acessibilidade para garantir a melhor execução de todos os processos. E o sucesso foi coroado com recorde de estudantes impactados: 15,6 milhões de pessoas.

“Uma das prioridades do Inep é incentivar a qualidade da educação em todas as esferas. Nossa equipe técnica qualificada trabalha diariamente para cumprir a missão da autarquia federal e aprimorar os processos de avaliação da educação brasileira. Em 2019, contribuímos com o Ministério da Educação e o Governo Federal para o fortalecimento das políticas educacionais do País”, destacou o presidente do instituto, Alexandre Lopes.

Conheça as principais realizações do Inep em seus exames e avaliações em 2019:

Enem – Sistema e Página do Participante interativos foram a principal novidade da edição 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), tornando a interação do usuário com o sistema mais próxima de uma conversa, de modo a deixar as etapas mais claras e reduzir a curva de aprendizado. O próprio sistema, além de guiar, dá informações objetivas sobre o que o usuário precisa fazer na sequência.

“Quando o Inep assumiu o desafio de agregar mais inovação a um processo como o Enem, apostando em um sistema inovador do Governo Federal, foi por acreditar que é possível investir em uma lógica mais disruptiva no setor público, agregando componentes já utilizados em redes sociais e iniciativas do setor privado”, destaca Camilo Mussi, diretor de Tecnologia e Disseminação de Informações Educacionais do Inep.

Além de fornecer todos os dados necessários por meio de um bate-papo com atendentes virtuais da Turma do Enem, os participantes tiveram a opção de incluir foto. Surdos, deficientes auditivos e surdocegos puderam indicar, durante a inscrição, o uso do aparelho auditivo ou de implante coclear, melhorando o atendimento especializado.

Para as provas, novos avanços: espaço para rascunho no próprio Caderno de Questões e coleta de dado biométrico reformulada para garantir mais sustentabilidade ao maior exame brasileiro. Em termos de segurança, o Enem também teve novidades, como a eliminação do participante que deixasse o aparelho eletrônico emitir qualquer som durante a aplicação e a vistoria de todos os lanches.

A aplicação foi um sucesso. Em 3 novembro, 77% dos 5,1 milhões de inscritos fizeram as provas do Enem, maior percentual de presentes desde que o exame assumiu o formato atual, com dois dias de aplicação. Isso representou a participação de mais de 3,9 milhões de pessoas. No dia 10 de novembro, a presença também foi recorde para um segundo dia de provas: 73%, equivalente a 3,7 milhões de pessoas.

Fazer o maior exame brasileiro, segundo maior do mundo, envolve uma avançada inteligência logística. “Trabalhamos com provas personalizadas, que seguem uma série de protocolos de sigilo e de segurança para que não ocorra nenhum tipo de problema com relação à isonomia dos participantes”, ressalta Murillo Gameiro, diretor de Gestão e Planejamento do Inep.

Enem PPL – A aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Enem PPL) teve a adesão de 1.228 instituições prisionais e mais de 46 mil inscritos. O Enem PPL trouxe mais recursos de acessibilidade: prova em braile, tempo adicional e mobiliário acessível. Com isso, puderam realizar o exame pessoas com cegueira, deficiência física, surdez, deficiência intelectual, além do público com baixa visão, que já era atendido pelo Enem PPL.

Enem Portugal – Em 2019, o Inep firmou mais dez convênios com instituições de ensino superior portuguesas, que passaram a adotar as notas do Enem para ingresso de estudantes brasileiros. Com esses novos acordos, chega a 47 o número de instituições que fazem parte do Enem Portugal. O programa do Inep completou cinco anos em maio de 2019. As duas primeiras instituições, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Algarve também renovaram seus acordos por mais cinco anos.

Enade – As provas do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2019 foram aplicadas em 1.063 municípios de todo o país. Foi registrado o comparecimento de mais de 390 mil participantes, correspondente a 90% dos 435 mil estudantes habilitados. Foram avaliados os concluintes de cerca de 9 mil cursos, ofertados por 1.953 instituições de educação superior.

“Trata-se de um esforço de avaliação em que a educação superior apresenta a sua face à sociedade, dizendo exatamente qual o nível de aprendizagem e a qualidade das estruturas acadêmicas oferecidas para a concretização da aprendizagem desses alunos”, explica Moaci Carneiro, diretor de Avaliação da Educação Superior do Inep.

Em 2019, o Enade avaliou os cursos de bacharelados e licenciaturas, e os cursos superiores de tecnologia do Ano I do Ciclo Avaliativo: saúde, ciências agrárias e áreas afins, no caso dos bacharelados e licenciaturas; e ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, militar e segurança, no caso dos cursos superiores de tecnologia. Foram 29 áreas ao todo.

Saeb – A maior edição do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) teve aplicação de testes e questionários em 73 mil escolas, superando 7,1 milhões de estudantes. Participaram todas as escolas públicas declaradas no Censo Escolar de 2018, além de uma amostra de escolas privadas. As dificuldades geográficas, principalmente nos estados da região Norte, foram minimizadas com a criação de 2.316 polos em locais estratégicos espalhados pelo país, com segurança 24 horas, que guardam os malotes com provas e questionários.

A educação infantil foi avaliada pela primeira vez, com a aplicação de questionários aos diretores e professores de uma amostra de creches e pré-escolas públicas ou conveniadas com o setor público, localizadas em zonas urbanas e rurais. O foco da avaliação foi o processo de ensino e aprendizagem. Outra inovação foi a avaliação de ciências da natureza e ciências humanas para uma amostra de estudantes do 9º ano do ensino fundamental. E, pela primeira vez, a avaliação da alfabetização foi feita com estudantes do 2º ano do ensino fundamental, também de forma amostral. O Saeb 2019 marcou a estreia das matrizes alinhadas à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de 2017.

Encceja – A edição de 2019 do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) também teve recorde de participantes presentes: 1,2 milhão, o que representa um aumento de 45% em relação à edição do ano passado. Desde 2002, o Inep é responsável pela aplicação do Encceja no Brasil e no exterior. O exame visa aferir competências, habilidades e saberes de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou o ensino médio na idade adequada. “O Encceja é, portanto, o exame que permite que o cidadão brasileiro continue seus estudos e concorra a melhores vagas no mercado de trabalho”, explica Carlos Roberto Pinto de Souza, diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep. Mais uma vez, foram quatro aplicações no ano: regular, PPL, exterior e exterior PPL. Só a aplicação regular recebeu mais de 2,9 milhões de inscrições.

Celpe-Bras – O exame para obtenção do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) teve duas edições em 2019: a primeira em maio e a segunda em outubro. Ao todo, foram mais de 11 mil inscritos interessados na comprovação de proficiência no uso da língua portuguesa pelas instituições de educação superior, destinado a brasileiros e estrangeiros, para ingresso em cursos de graduação e em programas de pós-graduação, bem como para validação de diplomas de profissionais estrangeiros que pretendem trabalhar no Brasil. As provas foram aplicadas em 106 postos no Brasil e no exterior, na primeira edição, e em 107, na segunda.

Avaliação in loco – As instituições de educação superior e os cursos de graduação brasileiros receberam, durante todo o ano, visita de comissões de especialistas para a avaliação in loco de suas estruturas e condições de oferta. Em 2019, foram finalizadas mais de 5 mil avaliações in loco de instituições de educação superior e cursos de graduação.

“Essas comissões se deslocam para os diferentes estados da Federação para verificar as condições concretas de estrutura de cursos e instituições. É um trabalho formidável que o Inep realiza em favor da qualidade da educação superior em nosso país”, defende Moaci Carneiro, diretor de Avaliação da Educação Superior do Inep.

As avaliações são conduzidas por integrantes do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Em 2019, o Inep capacitou 2.565 avaliadores para atuarem com os instrumentos de avaliação externa in loco. Atualmente, essas avaliações abrangem cerca de 2.500 instituições e 36 mil cursos de graduação do país.

Pisa – Maior estudo sobre educação do mundo, o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) teve seus resultados mundiais divulgados em dezembro. Os dados calculados pelo Inep apontam que o Brasil tem baixa proficiência em leitura, matemática e ciências, se comparado a outros 78 países que participaram da avaliação. O Inep foi responsável pela aplicação do Pisa no Brasil, em 2018, o que envolveu 597 escolas públicas e privadas com quase 11 mil alunos selecionados, de forma amostral.

Erce – A aplicação da quarta edição do Estudo Regional Comparativo e Explicativo (Erce) foi realizada de 4 a 19 de novembro em todas as unidades da Federação. As provas e os questionários de fatores associados foram aplicados pelo Inep em 294 escolas, contando com a participação de mais de 10 mil estudantes do 4º e 7º ano do ensino fundamental. Os resultados do Erce visam reunir evidências para avaliar o desempenho dos estudantes de 18 países da América Latina e Caribe, identificando se estão aprendendo o conteúdo previsto nos planos educativos de cada país. Os dados ajudarão a explicar as circunstâncias que afetam o aprendizado das crianças na região.

Confira mais notícias no portal do Inep