Celpe-Bras 16 de Julho de 2020

Edição 2020 do Celpe-Bras apresenta novidades

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou aprimoramentos e melhorias na realização da próxima edição do exame para obtenção do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras). Entre as medidas está previsto o aumento de três para quatro dias destinados à aplicação; a ampliação dos recursos de acessibilidade utilizáveis, como nos demais exames do instituto; a inclusão do recurso “tempo adicional” para lactantes que precisarem amamentar durante a aplicação da prova e a inclusão de tratamento pelo nome social, voltado para travestis e transexuais.

Os avanços que estão sendo implementados são resultados de estudos e experiências das áreas técnicas do Inep envolvidas na aplicação do exame. O edital do Celpe-Bras 2020 foi publicado na edição de 2 de julho de 2020 do Diário Oficial da União, com as informações sobre a edição, inclusive as mudanças previstas.

Confira outras novidades anunciadas para o Celpe-Bras 2020:

  • Junção dos atendimentos especializados e específicos na denominação “atendimento especializado”, contemplados todos os tipos de atendimento do exame.
  • Participante que enviou documento comprobatório de solicitação de atendimento especializado nas edições do Celpe-Bras 2019 e foi aprovado não precisará anexar nova documentação, caso a solicitação de atendimento seja a mesma deste ano.
  • Quem necessitar de atendimento devido a acidentes ou imprevistos, após o período de inscrição, deverá solicitá-lo no posto aplicador, escolhido no ato da inscrição, em até dez dias úteis antes da aplicação da parte escrita, para verificar a viabilidade de atendimento.
  • Participante que apresente quadro de doenças infectocontagiosas deverá comunicar sua condição ao posto aplicador até um dia antes da aplicação do exame, tanto para a parte escrita quanto para a parte oral. São doenças infectocontagiosas: coqueluche, difteria, gripes por influenza, meningite, varíola, poliomielite por poliovírus selvagem, sarampo, rubéola, varicela e COVID-19.
  • Todas as salas terão um marcador para acompanhamento do tempo de prova.
  • Considerando a situação de pandemia e os procedimentos de prevenção à disseminação da COVID-19, serão adotados pelos postos aplicadores: distanciamento social entre os participantes; utilização de álcool em gel pelos participantes e colaboradores durante a aplicação; uso de máscara para proteção no local de provas, caso a legislação vigente preveja a obrigatoriedade.

Taxa de inscrição – Neste ano, o valor máximo para o pagamento da taxa nos postos aplicadores do Brasil teve um reajuste de 15% em relação ao valor do ano anterior, passando de R$ 200,00 para R$ 230,00. De acordo com a Diretoria de Avaliação da Educação Básica do Inep, como o último reajuste foi em 2016, o aumento considerou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulado nos últimos quatro anos. Nos postos aplicadores do exterior, para as instituições privadas e/ou vinculadas ao Itamaraty, o valor máximo será de US$ 115 (dólares americanos).

As inscrições abrirão no dia 31 de agosto e poderão ser realizadas até 11 de setembro, pela internet, com pagamento de taxa até o dia 14 de setembro. As provas serão aplicadas no período de 8 a 11 de dezembro, em postos aplicadores no Brasil e no exterior.

Celpe-Bras – O exame brasileiro oficial para certificar proficiência em português como língua estrangeira é aplicado no Brasil e no exterior pelo Inep, com apoio do Ministério da Educação (MEC) e em parceria com o Ministério das Relações Exteriores. As provas são realizadas em postos aplicadores: instituições de educação superior, representações diplomáticas, missões consulares, centros e institutos culturais, e outras instituições interessadas na promoção e na difusão da língua portuguesa.

Com uma história de mais de 20 anos, o Celpe-Bras foi, inicialmente, desenvolvido por uma equipe de especialistas instituída pelo MEC e passou a ser atribuição do Inep a partir do segundo semestre de 2009. Desde o início, é o único certificado de proficiência em língua portuguesa reconhecido pelo governo brasileiro.